Hospital Clériston Andrade inicia reforma da emergência e reduz atendimento a pacientes

Foi iniciada, ontem (5), a reforma geral da emergência do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA). O prazo para o término da obra, segundo o diretor da unidade, José Carlos Pitangueira, é de seis meses, e o investimento total será de R$ 5,6 milhões.

O diretor informou ainda que em um prazo de 30 dias será feita a passagem da maternidade do Clériston para o Hospital Estadual da Criança (HEC).

“Com a passagem da maternidade para o HEC, vamos ter um aumento de leitos com a parte de clínica médica passando para 44 leitos, a ortopedia também para 44, 18 leitos de neurocirurgia e 16 de neuroclínica e aumentando sempre que possível”, informou Pitangueira, acrescentando que haverá novos 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Sobre o atendimento ao público durante o período da reforma, o diretor do HGCA explicou que os pacientes de ortopedia continuarão sendo atendidos normalmente. Já os pacientes clínicos, sem necessidade de cirurgia, deverão ser encaminhados para outras unidades de saúde.

“Nós já tivemos uma conversa com a prefeitura e vamos ter as policlínicas ajudando muito mais, as Unidades de Pronto Atendimento (Upas), e também vamos conversar com os prefeitos de Santo Estevão, São Gonçalo e Berimbau (Conceição do Jacuípe), para ver se os hospitais deles podem ajudar, criando vagas para o Clériston. Vamos atender menos porque vamos fazer uma divisão por série”, explicou.